16188767313500.jpeg
Furto aconteceu em 10 de abril em uma propriedade no interior do município .Foto: Polícia Civil (Divulgação)
16188767318311.jpeg
Vítima encontrou ferramentas furtadas de sua propriedade à venda em uma rede social e procurou a Polícia Civil. Os materiais eram uma motosserra e compressor de ar. Foto: Polícia Civil (Divulgação)

Produtor rural de Restinga Sêca reconhece objetos furtados à venda em rede social

Você já imaginou ser vítima de furto e, dias depois, estar navegando na internet e em um grupo de venda encontrar seus objetos que haviam sido furtados? Pois é isso aconteceu com um trabalhador rural de 30 anos de Restinga Sêca. A propriedade rural dele foi arrombada e todas as ferramentas e os equipamentos foram furtados na madrugada de 10 de abril e colocadas à venda em uma rede social. Na tarde da última segunda-feira, uma ação da Delegacia de Restinga Sêca e da 2ª Delegacia de Polícia de Santa Maria resultou na prisão de um suspeito que estava com parte dos objetos da vítima.

Poucos dias depois de ter a propriedade invadida, a vítima reconheceu um compressor e uma motosserra que estavam à venda em um grupo no Facebook. Ele começou uma conversa com o vendedor, negociou valor e marcou um encontro para fechar o negócio. Após reconhecer suas ferramentas, a vítima procurou a Polícia Civil de Restinga Sêca, onde havia feito o registro da ocorrência do furto, deu detalhes e características das ferramentas e contou aos policiais que havia encontrado parte delas.

Os policiais de Restinga Sêca entraram em contato com policiais da 2ª DP de Santa Maria, pois o suspeito havia marcado um encontro na Rua Florianópolis, no portão do Hospital Regional, que é área de atuação da delegacia. Por volta das 17h, o suspeito chegou ao local e foi abordado pelos policiais. No porta-malas do carro, os policiais encontraram o compressor de ar e uma motosserra, que foram reconhecidos pela vítima com de sua propriedade.

O suspeito foi preso em flagrante por receptação e levado à Delegacia de Polícia de Pronto-Atendimento (DPPA) para o registro da ocorrência. O delegado Márcio Schneider arbitrou a fiança de R$ 2,2 mil

Segundo a vítima, essa foi a primeira vez que foi alvo de furto. Ela calcula um prejuízo de pelo menos R$ 6 mil. O produtor rural, que preferiu não ter sua identidade revelada, destaca a agilidade e resultado do trabalho dos policiais.

- Estou indignado! Estava sem esperança, mas daí achei as coisas anunciadas à venda, fui na delegacia e registrei a ocorrência. Foi muito satisfatório recuperar alguma coisa. A ação foi rápida. Um pouco do prejuízo amenizou. A gente fica sentido de perder o resto das coisas. Agora é esperar, acredito que podem conseguir recuperar mais alguma coisa - diz o produtor.

ATENÇÃO PARA A PROCEDÊNCIA

Para a polícia o delegado Marcelo Arigony, titular da 2ª DP, é preciso muita atenção ao comprar artigos pela internet. Principalmente se forem usados.

-Toda cautela é pouca em negociação pela internet. Procurar se certificar sobre a pessoa com quem está tratando e sobre a procedência e licitude do que está sendo negociado. Também não se deve negociar com terceiros. Muitos golpes exploram a credulidade no intermediário - explica o delegado Marcelo Arigony. 

Informações: Portal Bei

Comentários



Ao continuar navegando em nosso site, você concorda com a nossa Política de Privacidade e com os nossos Termos de Serviço